INDICADORES DE TENDÊNCIA CIMILHO (89): Etanol de milho com fôlego renovado
08/03/2018 15:56:45



Rubens Augusto de Miranda

Pesquisador da área de economia agrícola da Embrapa Milho e Sorgo

O aumento exponencial da produção de milho no Mato Grosso, passando de 5,8 milhões de toneladas em 2006/07 para 28,9 milhões de toneladas na última safra, um crescimento de 392%, elevou o estado à condição de maior produtor nacional do cereal. O protagonismo do Mato Grosso e de outros estados do Centro-Oeste mudou o mapa da produção de milho no Brasil. Na nova configuração, não apenas as regiões Sul e Sudeste perderam a predominância da produção, mas também o plantio passou a se concentrar na segunda safra.

Em meio a tanta oferta de milho, em áreas de fronteira agrícola, com baixo consumo relativo de grãos, começou-se a incentivar o desenvolvimento da agroindústria local para minimizar os problemas de escoamento da safra e agregar valor à produção. Neste quadro, surgiu o pensamento sobre o potencial do etanol de milho. Contudo, os preços proibitivos do cereal em 2015 e 2016 esfriaram parte do interesse da sua utilização como matéria-prima de biocombustível.

Nadando contra a maré da conjuntura transitória de altos preços do milho, que chegou a superar a marca de R$ 35,00 a saca de 60 kg em meados de 2016, a FS Bioenergia, localizada em Lucas do Rio Verde, no Mato Grosso, apostou numa usina de etanol utilizando exclusivamente o cereal, a primeira do País deste tipo. A planta foi inaugurada em agosto de 2017, com a capacidade inicial de processar 600 mil toneladas de milho e produzir 210 milhões de litros de etanol. Até então, se discutia o milho para a produção de etanol como matéria-prima na entressafra da cana, por meio de usinas flex.

Para viabilizar a usina, mesmo em conjunturas de preços altos da matéria-prima, a FS Bioenergia também aposta na produção de subprodutos dos resíduos do milho. Assim, além do etanol, a usina tem capacidade para produzir 182 mil toneladas de DDGS (Dried Distillers Grains with Solubles – Grãos Secos de Destilaria com Solúveis), que é considerada uma alternativa nutricional e econômica de substituição dos cereais na dieta dos animais; 6.200 toneladas de óleo de milho e a exportação de 60.000 megawatts de eletricidade.

Após uma safra nacional 2016/17 recorde em torno de 100 milhões de toneladas, sendo que somente o Mato Grosso produziu 28,9 milhões de toneladas, resultando numa disponibilidade de milho considerável e queda das cotações, a aposta da FS Bioenergia parece ter sido acertada. Isso tem atraído a atenção para novos investimentos. Entretanto, num contexto mais amplo, cabe analisar o impacto do ingresso de novas usinas no mercado de etanol tendo o milho como matéria-prima.

A capacidade de produzir 210 milhões de litros de etanol de milho pela FS Bioenergia representa 27,4% do consumo de etanol (anidro e hidratado) no Mato Grosso em 2016. Lembrando que o milho ainda concorre com a cana-de-açúcar na produção de etanol. Hipoteticamente, caso o etanol consumido no estado fosse produzido apenas com milho, seriam necessários 1,8 milhões de toneladas do cereal, considerando a produtividade de 420 litros por tonelada, para abastecer completamente a demanda estadual. Essa quantidade representa 6,3% do milho produzido pelo estado na safra 2016/17.

Olhando apenas o consumo estadual de etanol, o mercado local estrangula o potencial do milho, pois a demanda é pequena frente as grandes possibilidades de oferta. Assim, é preciso olhar além da fronteira do estado. O problema é que estados divisórios, como o Mato Grosso do Sul e Goiás, também estão entre os maiores produtores de milho do País, podendo produzir etanol com o cereal e frustrar investimentos em novas plantas industriais no Mato Grosso. Os estados da região Norte têm sido apontados como destinos potenciais, mas o consumo total de etanol deles é apenas pouco superior ao do Mato Grosso.

No fim das contas, a despeito do bom negócio do etanol de milho que vem sendo propalado pela FS Bioenergia, a expansão do mercado passará pelo mesmo drama defrontado pelos produtores de grãos nas fronteiras agrícolas, que é o de escoar a produção para os grandes centros consumidores, situados a centenas ou mesmo milhares de quilômetros de distância. A logística de escoamento da produção do Centro-Oeste é um debate de longa data e, talvez, o etanol de milho possa contribuir para a solução final do problema. Infelizmente, somente nos próximos anos saberemos se esse novo fôlego do etanol de milho resultará, ou não, apenas numa tosse.

 

Últimas Notícias
INDICADORES DE TENDÊNCIA CIMILHO (90): China em prol de uma agricultura mais verde, lição para o Bra
INDICADORES DE TENDÊNCIA CIMILHO (88): A retomada das exportações de milho no segundo semestre
INDICADORES DE TENDÊNCIA CIMILHO (87): Entendendo a lógica do comportamento dos preços e do mercado
INDICADORES DE TENDÊNCIA CIMILHO (86): Milho: um primeiro olhar da safra 2017/18